Um dia na vida do Campeão - Revista Quatro Rodas de Janeiro/1996.

 
 
 
 
 

Fotos: Revista Quatro Rodas

Reportagem: Décio Costa.

Os pilotos da Fórmula Uno Flávio "Nonô" Figueiredo e Walter Travaglini reservaram para a última etapa da temporada, em novembro, a emoção do tudo ou nada.

O jovem Nonô, 24 anos, e o veterano Waltinho, 49, chegaram ao fim do campeonato separados apenas por dois pontos na classificação geral. Ao contrário da categoria Aspirados - que consagrou José Mário Castilho antecipadamente -, o campeão da Turbo só seria conhecido na corrida final, no autódromo de Interlagos, em São Paulo  (SP). No sábado, quando os treinos livres e classificatórios terminaram, Nonô viu suas chances crescerem: Travaglini iria largar na última fila do grid, porque o motor de seu Uno não rendeu o esperado. Waltinho conseguiu trocar o bloco,  mas só teve trinta minutos do warm-up, no domingo, para colocá-lo no ponto.

Já Nonô Figueiredo contava com uma equipe e um carro afinados, apesar do cabeçote trincado de seu motor ter sido remendado com durepoxi. Nas tomadas de tempo, entrou determinado na pista conseguindo o sexto lugar. Mesmo assim, não cantou vitória antes do tempo. Preferiu esperar o desfecho do Dia D." Ainda não ganhei nada. A corrida só acontece amanhã", afirmava.

A noite passou e, no domingo, Quatro Rodas acompanhou  os passos dos dois pilotos. Nonô não venceu a prova, mas levou a melhor no campeonato. Terminou a prova em terceiro lugar, posição suficiente para fazê-lo comemorar pela segunda vez o título de campeão da categoria.

06:30 - Madrugador: Nonô pula cedo da cama e coloca para tocar em seu CD player a música "The Best", cantada por Tina Turner;

07:15 - Breakfest: A mesa do café da manhã é farta, mas Nonô só toma suco de laranja e come um pãozinho com margarina e geléia. " A ansiedade não deixa que eu me alimente bem".

08:10 - A Chegada: Nonô para seu Uno Mille ELX no autódromo. No caminho, apressado, passou sem titubear três sinais vermelhos.

08:45 - Nos Boxes: O piloto fica a distância dos mecânicos para manter a calma. "não quero nem saber do carro agora".

09:15 - Aquecimento: Durante o warm-up, ele troca os pneus novos por usados. "Assim conheço o comportamento do carro do início ao fim da corrida".

11:00 - Cara a Cara: Nonô cruza com Travaglini e lhe deseja boa sorte. "Entre todos os pilotos, Waltinho é um dos que mais respeito".

12:50 - No Grid: Ao lado de Beto Napolitano, o chefe de equipe, faz uma oração e, supersticioso, dá dois socos na queixeira do capacete.

13:10 - Na Prova: Sofre pressão de Guto Negrão. Na quarta volta, roda no S do Senna e perde três posições. Ali, inicia sua recuperação.

13:35 - Título sem vitória: Cruza a linha de chegada em terceiro lugar e garante o título. Nos boxes, os mecânicos atiram os bonés para o alto. "fiz uma corrida imaginando o Waltinho na minha frente". Os pais, dona Ilda e Carol, orgulhosos, comemoram gritando em inglês: "yes! yes!".

13:50 - A Consagração: A festa do pódio,  prêmio pela seriedade ao longo da competição. "preciso sempre provar para mim mesmo que posso ganhar".